Nicolas e o Espírito do Natal


          Havia chegado o mês de dezembro. Uma grande nevasca atingiu a cidade de Nova Iorque. Em sua casa, Nicolas, um escritor fracassado, havia perdido mais uma oportunidade de emprego, em uma revista de quadrinhos, devido às circunstâncias em que vinha vivendo. O aluguel estava atrasado, todos os seus cartões de crédito bloqueados e sua geladeira completamente vazia. Há exatamente dez meses fora abandonado por sua mulher, que voltou a morar com os pais e levou o seu único tesouro, a filha de apenas 6 anos de idade. Por causa dos efeitos do álcool, da vida desregrada e, talvez, de algo mais, um de seus rins havia parado de funcionar. Para Nicolas, a vida agora estava completamente sem sentido e, nos últimos dias, ele só pensava em qual maneira iria utilizar para pôr um fim em sua história. Seu telefone havia sido cortado e o celular não existia mais, pois havia sido trocado por duas garrafas de vodka. Naquela noite fria, Nicolas resolve fazer uma loucura...


        O fogo da lareira de sua sala já estava no fim e o aquecedor estava inoperante devido à falta de manutenção. Lá fora, o vento cortante fazia a sensação térmica ser de -15ºC. Com as mãos trêmulas de frio, Nicolas procura em sua agenda o telefone de um agenciador do tráfico de órgãos. Após achá-lo, resolve se aventurar. 


       Saindo de sua casa, caminha aproximadamente 60 metros até chegar ao telefone público, em uma esquina de seu bairro, afastado do centro da cidade. Nicolas, então, consegue uma ligação a cobrar. Pela sua forma de falar, demonstra sinais de embriaguez e admite estar sozinho em casa. Do outro lado da linha, uma pessoa resolve praticar um ato que jamais ousou cometer. Por pura ganância, Robert, um agenciador de órgãos que fora, no passado, instrumentador cirúrgico, é tomado instantaneamente por uma força obscura e maligna, que o impulsiona a almejar algo que só de pensar já lhe proporciona uma forma de prazer indescritível. Ao desligar o telefone, Robert procurou imediatamente o seu estojo de facas, pinças e serras e seguiu para a casa de Nicolas, levando também uma enorme caixa térmica com muitos cubos de gelo em seu interior.


       Chegando ao seu destino, Robert encontra a porta da casa de Nicolas semi-aberta e ao entrar é atingido por uma machadada na cabeça que lhe ceifa a vida instantaneamente. Nicolas, então, fecha a porta, arrasta o corpo de Robert para a cozinha e coloca-o sobre a mesa. Na verdade, ele estava executando a cena de uma de suas histórias de terror, que havia escrito muitos anos atrás. Agora, a insanidade havia tomado conta da sua mente e ele já não respondia por si mesmo. Abre o estojo de Robert, que estava sobre uma mesinha ao lado, calça um par de luvas cirúrgicas e começa a abrir o tórax daquele que, ironicamente, seria o seu futuro assassino, mas agora o estava servindo com todos os órgãos absolutamente saudáveis.


      Nicolas, por lidar com muitas informações no universo literário, também bebia de muitas fontes técnicas, tendo acesso a várias bibliotecas e sites sobre anatomia humana. Ele conseguiu retirar os dois rins, o fígado e o coração de Robert, acondicionando-os corretamente na caixa térmica, sob uma temperatura correta.        Mas, afinal de contas, ao telefone Nicolas não mostrara sinais de embriaguez ? Essa resposta nós nunca saberemos, pois os segredos de uma mente insana jamais terão alguma lógica, ainda mais quando se trata de um escritor abalado psicologicamente, que confunde os limites da realidade. 


     Nicolas, aproveitando os piores momentos daquela nevasca, decide levar o corpo de Robert para um local mais afastado.        Com forças do Além, ele consegue amarrar o tronco de Robert ao pé de um pequeno poste e, rapidamente, o cobre com várias camadas de neve, escondendo completamente a sua figura humana. Minutos depois, ali estava um enorme boneco de neve envolto com um cachecol, a primeira vítima de Nicolas, um executor frio, sanguinário e completamente insano.


        Nicolas volta para casa, se apossa do carro de Robert e segue para o Bairro Chinês, onde consegue vender aqueles órgãos – que seguem rapidamente, no próximo voo, para Hong Kong –, por US$ 30.000 (trinta mil dólares). Agora, Nicolas podia colocar sua vida em ordem, acertar todas as contas atrasadas e ainda comprar um belo presente de Natal para a sua filha. Dois dias depois, próximo da semana do Natal, após chorar muito pelo que fizera e já quase se entregando à polícia, Nicolas deixou sua casa e seguiu para buscar sua esposa e filha. Mas, chegando à casa de seus sogros, ele ficou muito decepcionado com a notícia sobre o estado de saúde da sua filha. A menina precisava urgentemente de um transplante de rim. Nicolas então se desespera e segue para uma igreja próxima dali, em busca do perdão. Estava muito claro o preço que ele teria que pagar pela atrocidade cometida. 


       Encontrando o reverendo, ele suplica por uma confissão de emergência. O reverendo, que coincidentemente se chamava Robert, acolhe Nicolas em sua igreja e começa a ouvir a confissão. Durante a confissão do crime, o reverendo se revela para Nicolas, dizendo-lhe:


        – Nicolas, eu sou o Espírito do Natal, acredite! Compreendo o seu sincero arrependimento e fui incumbido de lhe dar um presente. Você será agraciado com uma ampulheta mágica. Se você conseguir cumprir sua tarefa antes do tempo, o tempo também lhe servirá, podendo retroagir para uma determinada época de sua vida, ou melhor, de sua história, no qual uma borracha divina apagará todas as suas maldades, permitindo uma história diferente e benéfica para você.


      – Sua tarefa será salvar 50 pessoas, que tentarão cometer crimes na noite de Natal nesta cidade gigantesca. Para isso, lhe darei alguns poderes mágicos, os quais lhe permitirão vencer os limites físicos. Presenteie essas pessoas com palavras boas e faça-as buscar o perdão divino. Para cada pessoa salva você terá direito a um ano no passado. Sei que não será fácil, mas, tente!


        – E se eu não conseguir salvar ninguém? – perguntou Nicolas.


       – Então nada poderei fazer por você. Contudo, se ainda quiser salvar a vida da sua filha, terá que sacrificar a sua própria vida, doando- lhe o seu rim.


       Nicolas ponderou, aceitou sua tarefa e seguiu imediatamente para a primeira casa, mas, conforme se aproximava do endereço ia ficando perplexo. Era a casa de Robert, que ele havia assassinado há alguns dias. Misteriosamente, Robert estava vivo e recebeu Nicolas em sua porta. Ele entrou e os dois se abraçaram. O perdão e o arrependimento de ambos foram tão sinceros que Nicolas nem precisou seguir para os demais destinatários. Por ter salvado Robert, Nicolas também salvou a vida de mais 4 vítimas futuras, além da sua própria. Assim, Nicolas obteve 6 anos retroativos em sua história.  Quando se deu conta, estava novamente em sua casa, em frente à lareira, preparando uma árvore de Natal junto à esposa, ainda grávida de 6 meses.  A ampulheta havia funcionado perfeitamente e o Espírito do Natal havia cumprido sua promessa, presenteando Nicolas com uma segunda chance...

                              
Revisado por:  Elabora Textos

12 comentários:

  1. Mais um conto sensacional!!! Ainda não terminei de ler, mas já deixo aqui o meu registro!!! Abraço e muito sucesso!!!

    ResponderExcluir
  2. Mais um bom conto, André. Tem alguns trechos bem inverossímeis, mas creio que faça parte do efeito mágico que o texto quer transmitir.

    Gostei em especial da parte da ampulheta mágica. Deu um toque de aventura e suspense com as tarefas que ele teve que cumprir, o que na minha opinião fez o conto ganhar um ritmo mais empolgante. Cheguei a sentir vontade que a parte das tarefas se prolongasse por mais alguns parágrafos e a casa de Roberto fosse a última a ser visitada. rs


    abraços/!

    http://contosdarosa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Junior, obrigado pela visita meu amigo !
    Um grande abraço !

    * * *


    Rosa, o texto acima até no 6º parágrafo é uma mistura de drama, suspense e terror na neve...
    Do 7º em diante, ele se transforma em fantasia de natal " Amazing stories " ...
    Obrigado pela visita e pelo comment !
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Muito bom seu texto sensacional, gosto muito de teu estilo, já li outros contos seus e você sempre surpreende o seu leitor, muito bom, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  5. Luconi, que bom que gostou do meu estilo literário, fico feliz por isso !
    Obrigado pela visita !
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Nossa, seguindo seu Blog sem medo. Adorei a atmosfera daqui, o lugar é agradável. E os textos? hmm, magníficos! Sem palavras. Escreves muito bem, parabéns.

    Abração.
    http://papeldeumlivro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Ӗwerton,
    Obrigado pela visita e pelo comentário !
    Volte sempre ! Abraço...

    ResponderExcluir
  8. Legal seu Blog, André! Tô dentro! :) Abs!

    ResponderExcluir
  9. Valeu grande Sidney ! Seja sempre bem-vindo !
    Abraço...

    ResponderExcluir
  10. André

    Texto muito bem elaborado, desbravando os dois lados da vida.Parabéns.Abraços Nati

    ResponderExcluir
  11. André! Essa história foi realmente fantástica! Poderia sair um livro daí, não? Muito boa mesmo! Parabéns!!
    Rosane

    ResponderExcluir
  12. Nati e Rosane,
    Obrigado pela visita e pelos comentários !
    É verdade Rosane, dá mesmo pra criar um livro com esse enredo... vou pensar sobre isso no próximo ano...
    Bjs

    ResponderExcluir